Pressão emocional pode fazer mais vítimas que o coronavírus

Apesar do crescimento contínuo do número de infectados pelo novo coronavírus e de mortos pela COVID-19 no Brasil, nem toda a população será contaminada e boa parte ainda poderá ser imunizada pelas vacinas que já estão em teste. Entretanto, toda a população, desde crianças e jovens, passando por adultos, até idosos está enfrentando os altos e baixos do distanciamento físico, do abalo na economia e da incerteza sobre o futuro. Por isso, especialistas em saúde mental garantem que os reflexos dessa pressão emocional podem fazer mais vítimas que o coronavírus.

No início de junho, uma pesquisa com psiquiatras brasileiros mostrou que 47,9% dos profissionais tiveram aumento no número de consultas, de acordo com a Associação Brasileira de Psiquiatria. Além disso, 89,2% dos psiquiatras identificaram que seus pacientes tiveram sintomas agravados no período de quarentena. Quanto aos novos casos, quase 70% dos profissionais afirmaram ter recebido novos pacientes após o início da pandemia, todos nunca tinham tido sintomas psiquiátricos antes.

Para dar dicas de como as pessoas podem se proteger das pressões emocionais em meio à pandemia e adotarem medidas preventivas e hábitos de cuidado com a saúde mental para também vencer essas doenças silenciosas, muitas vezes incompreendidas pelos outros e negadas pelo próprio paciente, a Unimed Curitiba promove uma live com o psiquiatra Salmo Sugman e a psicóloga Jenima Prestes nesta sexta-feira (26), a partir das 18h, em sua página no Facebook (@UnimedCuritiba).

Neste Diálogo Saudável, a jornalista Mira Graçano conduzirá um bate-papo ao vivo com os especialistas em saúde mental e as pessoas poderão enviar suas dúvidas para serem respondidas em tempo real. “Faremos uma abordagem diferente, pois os dias estão diferentes para todos. Tem gente muito atarefada, trabalhando mais em home office que nos seus escritórios e hiperconectada nesses dias de distanciamento físico. Por outro lado, temos pessoas que estão sem trabalho, ociosas e entediadas por terem que ficar em casa. Qual o cenário mais danoso? Como cuidar da sua saúde mental em situações distintas? É sobre isso que vamos conversar e interagir com o público”, explica a jornalista Priscila Naufel, produtora do programa.

Um dos pontos altos da live serão os problemas de relacionamentos nesse tempo de isolamento, especialmente entre pais e filhos e entre os casais. É hora de discutir a relação? É mais fácil tentar mudar os hábitos do outro ou o seu próprio para manter a harmonia dentro de casa? Essas perguntas também serão respondidas pelos especialistas convidados.

A live vai tratar, ainda, sobre problemas sociais que estão em evidência nesse momento, como alcoolismo, violência doméstica, inclusive contra crianças e adolescentes, e suicídio. “Quem está enfrentando esses problemas ou conhece alguém que está com problemas e quer saber como ajudar é nosso convidado para essa live especial”, convida Jenima Prestes, que é psicóloga da área de Promoção da Saúde da Unimed Curitiba.

Nina Machado

Jornalista, especialista em marketing digital e gestão de pessoas trocou o mundo corporativo em busca de uma vida mais conectada com seu propósito. Em 2019 criou o projeto Ficar Bem aos 40 para abordar assuntos do universo feminino 35+. Além disso, é co-editora do Corra Mais e repórter do Inova Mais, ambas editorias do portal RIC Mais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo